Tintos para o verão: dicas do nosso especialista

3 minutos para ler

Não é por culpa do clima quente que você deixará de aproveitar os vinhos tintos, certo? Há uma enormidade de estilos e procedências de tintos que se encaixam bem na praia, piscina ou numa mesa com saladas e pratos leves. Hoje o blog da TodoVino, loja online de vinhos, cervejas e destilados, traz uma série de indicações.

Para tanto, antes de descobrir como acertar na escolha, vale entender o que deve ser evitado. No caso dos tintos, evite os produzidos em regiões de clima quente, que geralmente implica teor alcoólico mais elevado (pelo maior potencial de amadurecimento da uva) e menor acidez. Variedades ricas em taninos também possuem menor vocação para os dias quentes, pois pedem pratos mais pesados e contundentes para domar os taninos. Além disso, essas variedades tendem a passar de forma mais intensa pelas barricas de carvalho, processo que dá maior polimento e tira parte da agressividade dos taninos. 

Por outro lado, regiões de clima frio, variedades com menor carga de taninos e cor (exemplos: Pinot Noir, Gamay e Merlot) costumam render tintos mais leves e elegantes, que podem ser descontraídos ou complexos, que pedem temperatura de serviço mais baixa, justamente para reforçar seu frescor. Esqueça aquela falsa máxima que tintos devem ser servidos na temperatura ambiente.

O especialista em vinhos da TodoVino, Vicente Jorge, fez esta seleção de tintos para o verão. São vinho leves, com pouco álcool, com breve ou nenhuma passagem por madeira, para quem adora tintos e não abre mão deles no verão. Todos eles podem ser tomados levemente gelados, aquela temperatura próxima da porta da geladeira. 

Don Pascual Reserve Pinot Noir

O Uruguai também tem terroirs específicos para Pinot Noir e produz exemplares incríveis, caso deste Don Pascual.

Caleo Montepulciano d’Abruzzo

A simples imagem do Mar Adriático que banha a região e a cozinha abruzzese indicam a vocação desta Montepulciano. Seco, leve e com ótima acidez, tem algum tanino que permite colocá-lo diante de pizzas e até um “arrosticini”; espetinhos de carne na grelha, típicos de Abruzzo. Um tinto que se comporta como um verdadeiro coringa.

Louis Jadot Bourgogne Pinot Noir

Os vinhos da Borgonha costumam merecer alguma atenção por parte de quem o bebe pois pode ter muitas facetas. Este que é o passo de entrada na região é ideal para um jantar com mais tempo. É aquele vinho que você abre para ir cozinhando e batendo papo. Sua complexidade suporta pratos agridoces e é certeiro com risotos com funghi, especiarias, pato… vale exercitar sua criatividade gastronômica aqui.

Woodbridge Pinot Noir

Mondavi é o grande nome da Califórnia e figura fundamental para consolidar o atual status dos vinhos norte-americanos. Aqui a Pinot Noir segue uma linha distinta da Bourgogne, porém não menos intrigante e deliciosa. Uma explosão de frutas negras maduras. Um tinto para ter uma tábua de frios sortidos ao lado, beliscar, beber e bater papo. 

Gato Negro Pinot Noir

O Chile produz ótimos Pinot Noir. Este Gato Negro é da safra de 2020, fresquíssimo.

Posts relacionados

Deixe um comentário