Brewdog Brewdog

Semana do Meio Ambiente: Iniciativas sustentáveis no mundo das bebidas!

10 minutos para ler

“Se soubesse que o mundo se acaba amanhã, eu ainda hoje plantaria uma árvore.” (Martin Luther King Jr.)

Comemorada no Brasil na primeira semana de Junho desde 1981, a Semana do Meio Ambiente acompanha as ações e celebrações ao redor do mundo do Dia Mundial do Meio Ambiente, no dia 05 de Junho, data instituída pela ONU durante a Conferência de Estocolmo, na Suécia, que aconteceu entre 5 e 16 de junho de 1972.

A proposta desta data é chamar a atenção de todos os governos mundiais e da população sobre a necessidade de implantar medidas emergenciais para prevenir a degradação do meio ambiente.

Este ano, o tema proposto pela Organização das Nações Unidas (ONU), é a restauração dos ecossistemas.

Pensando nisso a Brewdog, cervejaria escocesa com marcas icônicas como Punk IPA e Triple Hazy, lançou o manifesto “Make Earth Great Again” (Torne a Terra ótima novamente). Desde Agosto do ano passado a Brewdog é uma indústria “Carbono Negativo”. Isso significa que para cada cerveja produzida na fábrica, o total de carbono removido do meio ambiente é o dobro do emitido na produção. Ainda assim, mais do que remover a maior quantidade de carbono do meio ambiente possível, a prioridade da cervejaria era produzir com a menor quantidade de carbono que fosse viável. Com a ajuda de uma consultoria em sustentabilidade, a Brewdog está trabalhando em um plano de redução de carbono turboalimentado, estabelecendo uma meta para reduzir a pegada de carbono por litro em 40%. Prevendo o futuro, também elaborou um plano complementar de remoção de carbono para todas as nossas emissões restantes. Para cada pack de cerveja vendida, a Brewdog plantou uma árvore.

A cervejaria ainda se tornou “Zero waste”, em um processo de produção com zero desperdício em toda a cadeia de produção. Na Brewdog, acredita-se que nosso mundo precisa mudar agora mais do que nunca. É hora de beber e pensar com responsabilidade.

Com isso a Brewdog se tornou certificada “B-Corp” e fazem parte do grupo de empresas que usam o poder dos negócios para construir uma economia mais inclusiva e sustentável, atendendo aos mais altos padrões verificados de desempenho social e ambiental, transparência e responsabilidade. A certificação “B-Corp” é para as empresas o que a certificação “Fair Trade” é para o café ou a certificação “USDA Organic” para o leite.

E, felizmente, no universo cervejeiro, não é só a Brewdog que tem a sustentabilidade e responsabilidade com o meio ambiente como prioridades. Nos Estados Unidos, a New Belgium tem no seu DNA a responsabilidade com o meio ambiente. Mesmo antes de vender a primeira Fat Tire, os fundadores fizeram uma escalada no Rocky Montain National Park e lá, pensando em como seria a cervejaria, perceberam que seria de rios e solos saudáveis, e de um clima estável que a produção das cervejas dependeria. Daquele momento, mesmo antes da fundação da grande New Belgium, o pensamento sobre o impacto no planeta e em como reduzi-lo estava na receita das cervejas. Hoje a New Belgium também faz parte do grupo de empresas B-Corp. No ano passado, a cervejaria se tornou Carbono Neutro, e hoje impulsiona um manifesto para que as empresas grandes americanas façam sua parte, já que 70% das grandes empresas americanas não tem preocupação com as mudanças climáticas nem apresentam planos de sustentabilidade. Ainda, a New Belgium utiliza energia solar, através de placas de absorção da luz solar em seus prédios, que inclusive gera mais energia do que é utilizada, sendo convertida para a comunidade. E desde 1998, utiliza energia eólica. A empresa já buscava formas de reduzir sua pegada de carbono e encontrou uma oportunidade de trazer energia eólica para a cidade natal pela primeira vez, porém isso exigia um grande investimento inicial. Por unanimidade, todos os colaboradores abriram mão do fundo de participação nos lucros na época e tornaram a New Belgium a primeira cervejaria movida a energia eólica.

Mas por que ser carbono-neutro ou carbono negativo realmente importa?

Quando certos gases são liberados na atmosfera, eles absorvem a radiação de calor. Em quantidades anormais, eles agem como o vidro em uma estufa, permitindo que a luz solar passe para a “estufa”, mas impedindo que o calor da Terra escape para o espaço. Os gases que contribuem para esse efeito incluem dióxido de carbono (CO2), vapor d’água, metano, óxidos nitrosos e clorofluorcarbonos (CFCs). A atividade humana é a principal fonte desses gases, e a produção, distribuição e refrigeração da cerveja contribuem para as mudanças climáticas.

Com base em dados dos principais cientistas e economistas do mundo sobre o curso de ação atual de nossa sociedade sobre as mudanças climáticas, é evidente e imperativo que ajamos rapidamente para evitar impactos catastróficos em nossa economia, nossas comunidades e nosso planeta.

Também nos Estados Unidos, a Sierra Nevada é um exemplo em preocupação com o meio ambiente. Para uma cervejaria que nasceu de velhos equipamentos de laticínios, o “reduzir, reutilizar, reciclar” não era uma frase de efeito, mas um modelo de negócio. Ao longo dos anos, evitou-se a chance de produzir cerveja de maneira mais fácil e barata, mas que custasse caro ao meio ambiente, e se desviasse de seus valores. Hoje a Sierra Nevada mantém toda a planta da cervejaria da Carolina do Norte no mais alto padrão do modelo de sustentabilidade, que conta com a manutenção da floresta, energia solar, reutilização e tratamento de água, grãos e energia, natureza nativa, pavimentos permeáveis e modelo de agricultura local. Tudo isso fez da fábrica a primeira cervejaria nos EUA a receber o certificado LEED® Platinum – o nível mais alto de classificação usado no mundo.

Na Europa, a alemã Bitburger é certifica de acordo com os requisitos do padrão ‘Nachhaltiger Wirtschaften Food’ (Indústria de Alimentos Sustentáveis). O padrão foi desenvolvido pelo Centro de Gestão Sustentável da Universidade de Witten/Herdecke e a permite sistematizar, medir e desenvolver melhor todas as atividades de sustentabilidade. A cervejaria é o primeiro grupo alemão a se tornar Carbono Zero, feito alcançado no final de 2020, em um projeto iniciado em 2008 que começou reduzindo 60% da emissão de carbono em todo o grupo cervejeiro. E isso aconteceu em cinco etapas: registro do status quo, prevenção e redução das emissões, bem como o uso da eletricidade verde e, por fim, a compensação das emissões inevitáveis.

Desde 2005, a Bitburger tem uma unidade para geração própria de energia e em 2014 iniciou a utilização de um sistema chamado CHP, que gera eletricidade de acordo com o princípio da combinação de calor e energia, altamente eficiente. A vantagem de uma unidade CHP em comparação com outros tipos de usinas de energia está nas eficiências significativamente mais altas que são alcançadas. Além disso, a eletricidade gerada pela usina CHP é usada apenas dentro da cervejaria, o que ajuda a aliviar a pressão sobre as redes de energia. Ao adquirir eletricidade neutra em CO2 e usar a tecnologia CHP, a cervejaria dá nossa contribuição para a transição energética na comunidade. A inglesa Marston’s, o maior grupo cervejeiro do Reino Unido, desenvolveu uma agenda ambiental mais ampla, desde a administração, produção até os Pubs da rede. O grupo tem diversas premiações em sustentabilidade e gestão do meio ambiente, através de ações de “Zero waste” (desperdício zero) nos pubs, com índice de reciclagem de 74%, ponto de recarga de veículos elétricos, eliminação de insumos plásticos, uso de algodão reciclável e madeira de reflorestamento nas roupas de cama e móveis da cadeia de hotéis do grupo, utilização de água de reuso e lençóis próprios, e, como não poderia ser diferente, redução da pegada de carbono.

Muitas vinícolas também caminham no mesmo sentido. A portuguesa Aveleda contribuiu, em 2019, para a retenção de 6,5 toneladas de CO₂, através da utilização de rolhas de cortiça natural. Além disso adotou um conjunto de medidas em prol da sustentabilidade do meio ambiente, como a mobilização do solo das vinhas com recurso a cavalos, e utilização de recursos naturais e biológicos minimizando a necessidade de utilização de herbicidas nas vinhas. Ainda, recupera a água da chuva para posterior utilização, já que a água no Douro é um bem escasso. Finalmente, são efetuadas análises regulares das vinhas através de drones, de modo a obter informações acerca do vigor e stress hídrico das mesmas. Esta informação possibilita que se intervenha nas vinhas apenas em caso de necessidade e de forma muito assertiva.

Este ano a Viña San Pedro, vinícola que produz rótulos como Gato Negro, Castillo de Molina e Santa Helena, lançou um manifesto de Responsabilidade Social e Ambiental. São 8 pontos que, enquadrados nos valores corporativos da empresa, servem como guia e compromisso com uma produção mais sustentável, com o cuidado com as pessoas e, claro, com o meio ambiente. Este manifesto norteia cuidados com a água e solo utilizados, produtividade e eficiência energética, com uso de energia renovável – seguindo padrões IWCA) e preservação da flora e fauna.

As vinícolas Guigal Louis Jadot receberam o certificado “Haute Valeur Environnementale” (Alto Valor Ambiental), que é uma posição de valor muito próxima da certificação orgânica, aprovado pelo Ministério da Agricultura e admitido às vinícolas que utilizam uma abordagem “eco-friendly” na vinificação.

Este certificado baseia-se na medição de indicadores como respeito à biodiversidade, estratégia sobre pragas de insetos e gerenciamento adequado de fertilizantes e irrigação.

Os vinhos Barton&Guestier das linhas Varietal, French App e Thomas Barton são vegan-friendly. Não usam nenhum tipo de material ou ingrediente de origem animal na cadeia de produção de seus vinhos, como caseína e clara de ovo.

E como consumidor, o que eu posso fazer na preservação do Meio Ambiente?

REIMAGINE. RECRIE. RESTAURE.

Este é o nosso momento. Não podemos voltar no tempo. Mas podemos cultivar árvores, tornar nossas cidades verdes, renovar nossos jardins, mudar nossas dietas e limpar rios e encostas.

Somos a geração que pode fazer as pazes com a natureza.

Buscar consumir produtos de empresas que, como as cervejarias e vinícolas citadas acima, se preocupam e tem ações efetivas na comunidade as quais pertencem, que são certificadas e lideram campanhas e manifestos a favor do meio ambiente, que eliminam ou ao menos diminuem a pegada de carbono e tem ações de proteção aos animais. Além disso, descartar corretamente as latas e garrafas, limpas e separadas corretamente para a reciclagem. Cobrar da nossa sociedade a reciclagem, seja no acompanhamento da coleta seletiva, na correta separação nos prédios e condomínios e na destinação correta de artigos como pilhas e baterias, óleo vegetal e entulhos. E sempre evitar o desperdício, seja de produtos ou no consumo de água e energia.

O planeta agradece!

Posts relacionados

Deixe um comentário