Monte Araya, uma breve história dos vinhos de Rioja

4 minutos para ler

Os vinhos de Rioja, na Espanha, ganharam projeção quando Bordeaux foi atacada pela praga da filoxera na década de 1860. Os produtores franceses encontraram nesta parte norte da Espanha, às margens do rio Ebro, condições apropriadas para produzir grandes vinhos com base na variedade local Tempranillo, mas seguindo a sua “escola” de vinificação.  

Além das variedades locais (Tempranillo a principal, mas também Garnacha, Graciano e Mazuelo são relevantes), o uso da barricas de carvalho americano já era comum antes da chegada dos bordaleses, que apenas aderiram ao seu uso com barricas montadas no tamanho típico daquela região francesa, com 225 litros de capacidade. A região de Rioja é considerada hoje o maior parque de barricas de carvalho no mundo, com mais de 1.300.000 de barricas em uso.  

A Denominação de Origem Rioja  

A Rioja vitivinícola é uma DOCa (Denominación de Origen Calificada), nível mais elevado na pirâmide de rigor das denominações de origem. Ali nasceram as descrições de “Crianza, Reserva e Gran Reserva” para vinhos, tão copiados e deturpados na América do Sul. Marca clássica e a região do mundo onde termos como Crianza, Reserva e Gran Reserva realmente fazem sentido pois são estritamente regulados e descrevem uma parte importante do processo produtivo:  

Rioja DOCa – informalmente conhecido como “Rioja Joven”. O vinho tem passagem breve por barricas de carvalho ou nenhuma passagem por madeira e pode ser comercializado a partir do primeiro ano após a safra. Deve utilizar as variedades autorizadas: Tempranillo, Garnacha, Graciano, Mazuelo e Maturana tinta.

Rioja Crianza (tinto) – envelhecimento mínimo de 12 meses em barricas de carvalho com 225 litros de capacidade.

Rioja Reserva (tinto) – estágio mínimo de 12 meses em barricas de carvalho, mais 24 meses de guarda na vinícola. 

Rioja Gran Reserva (tinto) – estágio mínimo de 24 meses em barricas de carvalho, mais 36 meses de guarda na vinícola.  

Os Vinhos Monte Araya 

Os vinhos Monte Araya representam a típica expressão de Rioja e são produzidos pela Bodegas Del Medievo, produtor artesanal resultado da junção dos esforços de três viticultores, os senhores Bobadilla, Sota e Moreno, com o enólogo Santiago Garde. A equipe se reuniu em 2002 para fundar a vinícola riojana. Para produzir Monte Araya, a bodega conta com 200 hectares de vinhedos, na parte montanhosa de Rioja Baja, aos pés da Sierra de Yerga, em altitudes que variam entre 400 e 550 metros, privilegiando o equilíbrio e o frescor da fruta. A idade média dos vinhedos chega aos 40 anos e nas mãos do sr. Bobadilla estão algumas das videiras de Garnacha mais antigas de toda Rioja.  Dentro da adega, o enólogo Santiago Garde conta com mais de 1.000m2 onde repousam cerca de 2.500 barricas de carvalho, de origem francesa e americana, um casamento entre a expressão tradicional e moderna da região.  A linha de Monte Araya se divide em:

Monte Araya Tempranillo – chamado de vinho “joven” de Rioja, um varietal de Tempranillo colhido manualmente e com breve estágio em barricas de carvalho americano e francês novos (três meses). 

Monte Araya Crianza – Um assemblage de Tempranillo com Garnacha fermentados separadamente em tanques de inox, seguido de estágio de 12 meses em barricas americanas e francesas, mais 12 meses de repouso nas garrafas antes do vinho ser liberado ao mercado. 
Monte Araya Reserva – Mescla de frutas das vinhas velhas de Tempranillo e Garnacha, que fermentam em inox e seguem para estágio de 24 meses em barricas de carvalho americano e francês, mais 12 meses de repouso na garrafa, antes de ser liberado ao mercado. 

Monte Araya Gran Reserva – Apenas os melhores e mais concentrados cachos de Tempranillo e Garnacha são utilizados para produzir o Gran Reserva. Seguindo as normas para um Gran Reserva esse vinho estagia por 36 meses nas barricas de carvalho (francês e americano), mais um período de 24 meses nas garrafas, antes de sair ao mercado. 

Posts relacionados

Deixe um comentário