Glenfiddich – o líder dos Single Malt Whiskys

3 minutos para ler

Glenfiddich pertence à seleta categoria de whiskys escoceses “single malt”, onde é o líder absoluto de vendas e referência de qualidade.

O Whisky escocês traz uma das lições mais simples de gaélico, que o termo “glen” significa vale. As destilarias buscavam os vales escoceses para ter fácil acesso à água e aos cereais para a produção do destilado. A história de Glenfiddich (vale dos cervos) não foi diferente e teve início no Natal de 1887, dia que o alambique de cobre da família Grant verteu sua primeira gota de álcool. 

Glenfiddich é um projeto pessoal de William Grant, que reuniu seus nove filhos (sete homens e duas mulheres) para erguer do zero e com as próprias mãos a destilaria de seus sonhos. 

A destilaria de Glenfiddich foi literalmente construída à mão, por William Grant e seus filhos, que viram a primeira gota de destilado sair do alambique de cobre no Natal de 1887. 

A família Grant era tão empenhada na produção de Glenfiddich que a destilaria foi uma das únicas seis destilarias que seguiram operando durante a Lei Seca norte-americana. Em 1961 foi introduzida a típica garrafa de formato triangular, uma marca de Glenfiddich. O modelo foi concebido pelo designer alemão Hans Schleger, que também criou o símbolo dos pontos de ônibus de Londres. 

O lado visionário da família, desta vez pelas mãos de Sandy Gordon, bisneto de William Grant, fez com que Glenfiddich fosse o primeiro whisky Single Malt escocês a ser exportado, em 1963. O mercado estrangeiro basicamente conhecia os blended whiskies (que misturam whisky de malte e de outros grãos) e Glenfiddich se tornou a referência do segmento. Até hoje a marca permanece sob controle familiar e é líder de vendas. Estima-se que Glenfiddich responda por 30% das vendas dos Single Malt whiskies. 

Além do fácil acesso à cevada (que se transformará em malte) e à água do vale de Speyside, Glenfiddich adota protocolos de produção bastante restritivos, mantendo a visão na qualidade final dos whiskies. No processo de destilação cerca de 35% do volume é descartado nos cortes. Apenas o “coração”, limitado aos 65% de todo destilado produzido segue para o processo de afinamento nos barris de carvalho. Em Glenfiddich utilizam barris norte-americanos de Bourbon e barris de Jerez (também de carvalho norte-americano). A proporção entre um e outro é um segredo da destilaria.

Esta etapa do processo, onde os whiskys repousam por anos nos barris é considerado chave para se chegar a personalidade de Glenfiddich, por isso desde 1959 a marca conta com uma tanoaria própria, onde montam e recuperam os próprios barris. Um tanoeiro de Glenfiddich precisa de cinco anos de formação antes de assumir a posição na empresa e aproveitando-se desse recurso, Glenfiddich utiliza uma tina de 2.000 litros de carvalho português para finalizar quase todos os whiskys, etapa onde as diferentes nuances de cada barril são integradas, formando a assinatura da casa. 

Uma vez finalizado o processo de integração nas grandes tinas, é utilizada água da própria nascente Robbie Dhu, que está dentro da propriedade de Glenfiddich, para se chegar ao teor alcoólico final perto dos 40%. 

Posts relacionados

Deixe um comentário